FRAGMENTOS DE POESIA EM CAMPOS DE GIRASSÓIS

Criar um Site Grátis Fantástico
FRAGMENTOS DE POESIA EM CAMPOS DE GIRASSÓIS

Nesta página vou inserir, paulatinamente, alguns poemas do meu novo livro "Fragmentos de Poesia em campos de girassóis" - lançado no final de 2014.

 

Os meus fantasmas

 

 

Ah, os meus fantasmas!

 

Bom que caminhem sempre descalços

pelos pavimentos da memória.

 

Seria insuportável ouvi-los

partindo

rumo àquela festa sem volta. 

 

 

Objetos esquecidos

 

 

De todas as minhas mortes

uma trouxe desalento

não foi morte anunciada

chegou às asas do vento.

Como quem tira o domingo

pra visitar distante ente

não trouxe qualquer bagagem

esqueceu vários pertences:

- uma inesperada lágrima

- um fugitivo silêncio

- e um relógio adormecido

sob a saudade e o tempo.

São tantas as minhas mortes

mas nunca morri por dentro.

 

Definição

 

Não definas poesia.

 

Agindo assim

trazes à tona e desnudas

o que é belo porque mistério.

 

Preserva-a

 na tua mala de viagem

- inconclusa!

 

 

Dobradiças

 

 

1

 

 

Havia uma porta

aberta ao desconhecido

que instigava a curiosidade

do voo sem compromisso

sobre a silhueta do destino.

 

Éramos espaço

e o pecado nos vigiava

qual vento a roçar,

sutilmente, as cortinas.

 

2

 

Havia uma porta

que permanecia entreaberta

e o ranger das dobradiças

perturbava o silêncio

que descia lentamente

pelos fios da inexorável espera.

 

Sempre nos perguntamos

por que nunca se fechava?

 

Talvez, estrategicamente localizada,

nos permitisse visualizar

o horizonte fundir-se à estrada.

 

 

Fragmentos de poesia em

campos de girassóis 

  

A indiferença do sisal

não pertence ao menino

- sua esperança afiada

não ousaria saquear girassóis.

 

Turvo – o rio

desenvolveu autossuficiência

- em sua subterrânea miséria

as lágrimas são fosforescentes.

 

No dia em que o bezerro agonizou,

atolado até ao pescoço,

construí o meu primeiro muro

- havia conchas suficientes

na tristeza de meu avô.

 

O domador de silêncios

ficou cego

- agora recria a melodia dos

bem-te-vis

com as recém-paridas mãos.

O meu pai tinha parentesco

com a terra,

sabia-lhe a fome, a sede, os desertos

- comungava a energia das raízes.

Autenticada na memória

 a sua provação de fé

quando, desolado, chorou,

ao perder toda a colheita

e a minha mãe, impotente,

“passou um demorado café”.

 

A bailarina dissolve-se.

O catador recicla o dia.

 

Há liberdade

nos cárceres íntimos da palavra.

Celebra as tuas asas,

Poesia!